Páginas

12 de set de 2007

A coleta de experimental do Clube Cotidiano Ambiental


O grupo do Clube Cotidiano Ambiental saiu no dia 22 de agosto para instalar e montar as armadilhas confeccionadas. O objetivo desta primeira coleta foi observar o funcionamento das armadilhas para corrigir possíveis falhas. Neste dia o grupo instalou as armadilhas de queda e capturaram os artrópodes voadores com as redes entomológicas.
No dia seguinte, o grupo recolheu as armadilhas de queda e retornou ao laboratório para a verificação do funcionamento das armadilhas e a contagem dos artrópodes coletados. Depois do estudo, os artrópodes coletados foram soltos. Mas houve alguns artrópodes que morreram, estes foram guardados no laboratório para fins de estudo.
Na reunião do dia 29 de agosto, o grupo fez uma análise de toda a coleta:

RELATÓRIO DA SAÍDA DE CAMPO - CLUBE COTIDIANO
Profª Guilherme Evaristo

MATERIAL

  • 5 redes entomológicas
    10 armadilhas terrestres
  • 5 vidros de conserva
  • 5 pazinhas de jardineiro

PROCEDIMENTO

A área escolhida para a coleta foi o entorno da escola, buscando testar a eficácia das armadilhas e do método de captura com redes entomológicas.
Antes da saída foi feita a explicação do método da coleta para os coletadores, demonstrando como funciona a armadilha terrestre e como se deve utilizar a rede entomológica.
No dia 22/08 as 10 (dez) armadilhas terrestres foram instaladas em três áreas distintas: 4 na área atrás da escola, 3 na área das mamonas (ao lado da primeira área) e 3 ao lado do campinho. O local da instalação das armadilhas foi escolhido conforme a condição do terreno, levando em consideração a facilidade em escavá-lo.
As redes entomológicas foram distribuídas para as duplas que cobriram as mesmas áreas onde foram instaladas as armadilhas. Cada dupla recebeu um recipiente que serviu para colocar o que havia sido capturado. O resultado desta coleta foi levado ao laboratório para ser analisada.
No dia 23/08 foram retiradas as armadilhas e levadas ao laboratório para a análise do que havia sido capturado.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

  • Nas redes entomológicas foram capturados 17 lepidópteros, sendo 14 borboletas e 3 mariposas; 3 dípteros, sendo 2 moscas e 1 mosquito; 2 heterópteros; 3 himenópteros, sendo 2 vespas e 1 abelha e 1 ortópteros (grilo).
  • Nas armadilhas terrestres foram capturados 2 coleópteros; 9 himenópteros, sendo 1 vespa e 8 formigas; 18 aracnídeos, sendo 10 aranhas e 8 opiliões e 2 ortópteros (grilos).
  • As coletas com as redes entomológicas devem ser delimitadas nas mesmas áreas da instalação das armadilhas terrestres, sem ultrapassá-las.
    Analisar os resultados da coleta no mesmo dia da captura, para evitar a morte dos artrópodes.
  • Instalar as armadilhas em um dia e no dia de retirar fazer a coleta com a rede.
    Dividir as tarefas antes de ir ao campo.

11 de set de 2007

O Folclore

om o objetivo de estudar os personagens do folclore, nas aula de artes, os alunos das 2ªs séries realizaram a atividade do quebra-cabeça com palitos de picolé sobre os personagens: Mula-Sem-Mabeça, Saci Pererê e Boto Cor-de-Rosa.

“Eu achei interessante, porque a gente fala sobre o folclore de uma maneira diferente (palitos de picolé)” Gabriela , 2ªD

“Eu achei legal porque é um quebra cabeça diferente.” Melissa, 2ªD

“Foi muito legal a atividade e eu gostei muito.” Ketlin, 2ªC

Foi muito divertido, porque é um jeito diferente de aprender sobre o folclore.” Alana, 2ªD

Os alunos da Classe de 6 anos também realizaram diversas atividade com o folclore. As professoras Josiane G. Nunes e Rosiclei Viviane Pereira Laskoski contaram histórias e com atividades de recortes, pinturas e colagens confeccionam alguns dos personagens que fazem parte das histórias do folclore.
Por Adriana P. Schmitt e Aurea Vieira

24 de ago de 2007

Oficina de Geometria para professores de 1ª a 4ª séries


APRENDENDO GEOMETRIA
Ao refletir e discutir com os professores sobre os exigências e os resultados das avaliações externas, que sinalizaram as dificuldades dos nossos alunos das séries inicias na área de geometria, identificou-se que havia necessidade de capacitar os professores com novas estratégias de ensino.
Para a superação dessas dificuldades seria necessário que os professores trabalhassem não só com desenhos das figuras, que estão fixos no papel, em livros, mas com outros tipos de materiais, como: jogos, literaturas, sólidos geométricos, vídeos...
Os Supervisores e alguns Professores das séries iniciais da Rede Municipal de Ensino foram capacitados pela Secretaria Municipal de Ensino de Joinville, com a equipe do Mathema e estão repassando os conhecimentos adquiridos no curso em suas escolas.
Em nossa escola, estes conhecimentos estão sendo repassados com oficinas quinzenais, para os professores das séries iniciais, mediadas pela Supervisora Zélia e Professora Andréia. Estas oficinas iniciaram no mês de maio de 2007 e se estenderão até setembro.
Zélia Janning – Supervisora Pedagógica

Reunião de Pais


Foi realizada no dia 01 e 02 de agosto de 2007, uma reunião entre a Direção, Serviço de Orientação, Serviço Supervisão e Pais, com foco no levantamento que fizemos junto aos professores, de quais “Fatores externos (oportunidades) que auxiliam no sucesso escolar” e quais “Ameaças que dificultam o êxito escolar”. Apresentamos aos pais e reiteramos alguns pontos que nos causam bastante preocupação, como a questão da Infreqüência, das Faltas Injustificadas, cada vez mais comuns na nossa escola. É bom salientar que todos os pontos colocados foram muito bem aceito pelos os pais.
É importante também citar que a presença de pais na reunião foi bastante satisfatória, com um número muito grande de presentes.

Francisco A. de Oliveira
Orientador Educacional

23 de ago de 2007

Clube Cotidiano Ambiental-Coletando Artrópodes.

Aula do projeto: O Jovem Cientista no Micro-Macro mundo dos Artrópodes.

O Clube Cotidiano, em julho, já havia estudado sobre os artrópodes e suas características, na Sala Informatizada e no Laboratório.
Agora, em agosto, confeccionaram as armadilhas, juntamente com o professor Guilherme Evaristo e professora Aurea Vieira e estão iniciando o trabalho de coleta para o registro das espécies e futuro gráfico para análise do impacto ambiental.
Veja no site os tipos de armadilhas: http://www.ufmt.br/famev/ento/montagem.htm#supri

Por Aurea Vieira



4ª séries A, B e C - Estudo sobre os artrópodes.


Aula do projeto: O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes.

Desde o dia 6 de agosto os alunos das 4ª séries do período matutino estão aprendendo sobre os artrópodes, suas características e classificação, fazendo uma análise de campo no jardim da escola , analisando os bichinhos no laboratório , fixando as informações com jogos , escolhendo um artrópode para estudarem e aprendendo sobre ele.
Por Paola Hoffmann S. Gomes

Alunos Destaques

Bom empenho, atitudes, bom comportamento, responsabilidade, foram os requisitos responsáveis para que alguns alunos fossem eleitos pelos professores alunos destaques.
Os alunos receberam o boletim com o título de “Alunos Destaque” como forma de premiar o seu excelente desempenho no bimestre.
Parabéns a todos!

Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas


Nossa escola participa pelo quarto ano da Olimpíada Brasileira de Matemática onde nossos alunos, de 5ª a 8ª séries e Aceleração, tem a oportunidade de testar seus conhecimentos.
Foram classificados 22 alunos para a 2ª fase, concorrendo a bolsas de estudos e a uma viagem a Brasília. O concurso acontece em nível nacional.
Parabéns a todos os participantes!!!

Por Mariani da Silva Hasse

7/08 – Dia do Estudante

Parabéns Estudantes!!!!!!!

Camisetas coloridas, joelheiras, tornozeleiras, empolgação e muita animação: esse era o clima do dia 12 de agosto em comemoração ao Dia do Estudante.
Os alunos participaram de jogos de voleibol e futsal e puderam se divertir muito com o xadrez, tênis de mesa, dominó e aquele bate-papo com os amigos e professores.

Campeonato entre escolas – Copa Lepper

No dia 10 de agosto, aconteceu a etapa oeste da Copa Lepper de Voleibol Feminino em nossa escola.
Participaram as seguintes escolas:Elisabeth Von Dreiffus, Valentim João da Rocha, Emílio Paulo Hardth, Carlos Funk, Paul Harris, Pedro Ivo e Karin Barkemeyer.
Todos os atletas se empenharam em defender a sua escola. A campeã da etapa foi a Escola Municipal Elisabeth Von Dreiffus.
Nossa escola ficou com o título de vice-campeã e está classificada para as semifinais dos jogos em nível citadino.

Oficina da Embraco

No dia 13 de agosto, 2ª feira, ocorreu a III Oficina Cooperativa para todas as escolas inscritas e vencedoras no Prêmio Embraco de Ecologia 2006. O objetivo desse encontro foi o de trocar experiências entre as escolas e discutir sugestões para os próximos meses, dando incentivo e continuidade das atividades. Cada escola teve que preparar uma apresentação de 15 min, mostrando como foi o desenvolvimento do projeto.
Estavam presentes na oficina as coordenadoras da sala Informatizada Aurea Vieira e Paola Hoffmann S. Gomes e a Diretora Esther Rieper Perini.

Alunos da Aceleração estudam Custo de Vida.




Alunos da Aceleração estão estudando os custos de uma família em relação a um salário mínimo e realizando gráficos sobre os mesmos na sala informatizada.

Aulas no Laboratório para os alunos de 5ª a 8ª séries


Aula do projeto: O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes.

Nos dias 1 e 2 de agosto, os alunos que ainda não tinham ido ao laboratório observar as características dos Artrópodes tiveram a oportunidade de observar, com lupas e no microscópio, as partes do corpo e características das classes de Insetos, Aracnídeos, Crustáceos, Quilópodes e Diplópodes.




Festa Julina

A Festa Julina da escola aconteceu no último dia de aula,
antes das férias de julho.
Foi um sucesso!!!

12 de jul de 2007

Artrópodes:Quem são eles?

Aula do Projeto: O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes.

Os alunos de 5ª a 8ª séries estão recebendo informações sobre os artrópodes e iniciando a 2ª etapa do projeto com a professora Eliane Kiehn.
Na Sala Informatizada eles puderam aprender tudo sobre os tipos de artrópodes, suas classes e características principais.
Depois da aula informativa foi a vez dos alunos colocarem a mão na massa e analisarem os pequenos animais no Laboratório de Ciências.
Munidos de lupas e com uma tabela na mão, os alunos analisaram os bichinhos que foram colocados nas suas mesas e classificaram-os.
Em seguida, puderam ver a asa da libélula no microscópio para terem um 1º contato com o recurso e perceberem a beleza destes pequenos animais.

Artrópodes:Quem são eles?

Aula do Projeto: O Jovem Cientista no Micro-macro Mundo dos Artrópodes.

Para encerrar o 1º semestre, nada melhor do que aulas práticas de observação e análise de artrópodes no novo Laboratório de Ciências.
Antes de irem para o laboratório, os alunos puderam aprender um pouco sobre as características dos artrópodes e as diferentes espécies na Sala Informatizada e tiveram contato com artrópodes de plástico que foram comprados para que os alunos aprendessem a classificação dos bichinhos sem machucar ou danificar os animaizinhos coletados.

Depois de bem informados, os alunos foram ao laboratório onde puderam por em prática o que aprenderam, analisando as características dos pequenos animais em uma tabela e completando-a de acordo com os artrópodes que estavam em suas mesas. Munidos de lupas eles puderam observar todos os detalhes dos bichinhos e, no microscópio, tiveram a oportunidade de observar vários animais.

Parabéns, professora Eliane, por suas aulas!!!

9 de jul de 2007

15 anos do Prêmio Embraco de Ecologia.

Estão em exposição ,na Praça de Leitura da escola, os painéis que contam a tragetória dos 15 anos do Prêmio Embraco de Ecologia .
Os alunos puderam rever os anos em que a escola recebeu o prêmios dos projetos "Valores e Atitudes em Busca da Melhoria e da Qualidade de Vida, "Voando Rumo à Sustentabilidade."

Ensaios para a Festa Julina.


Os ensaios para a Festa Julina já estão a 1000 por hora!
Nesta sexta-feira, dia 13 de julho de 2007, o Arraiar do Karin vai arrasar!
Contamos com a sua presença!!!

Cooperativa de Assentamento.


Alunos das 7ª séries foram conhecer, em Araquari, como funciona a cooperativa do assentamento e enriqueceram mais os estudos sobre MST, ouvindo pessoas engajadas no movimento.

Releituras

Nas aulas de Artes , a professora Adriana Pacheco apresentou aos alunos obras dos artistas participantes da Semana de Arte Moderna e de artistas impressionistas.
As obras foras expostas nos painéis da escola.
Que Legallllllllllllll!!!

Por Paola Hoffmann S. Gomes

5 de jul de 2007

Alunos das 8ª séries visitam a Escola Técnica Tupy


Os alunos das 8ª séries tiveram a oportunidade de conhecer os laboratórios de Química, Física e Mecânica da Escola Técnica Tupy e fazer experimentações. Nesta visita os alunos puderam refletir sobre o futuro e aumentar a sua visão de mundo.

1 de jul de 2007

Procurando pequenos bichinhos no jardim da Escola

Aula do Projeto "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes"


As turminhas da Classe de 6 anos das professoras Josiane Giovanela Nunes e Rosiclei Viviane* estão trabalhando a mil no projeto.
Nesta semana eles assistiram ao filme “Animais Minúsculos”. Depois do filme as professoras conversaram com os alunos, para saber:
- como que eram os bichinhos? Quem lembra os nomes deles?
- quais já conhecem?
- quais vêem com mais freqüências?
- estes bichinhos são importantes? Por quê?
Após essa aula, munidos de lupas, a turma “Classe de 6 anos J” dirigiu-se ao jardim e à horta da escola para observar os bichinhos que vivem ali. Empolgados, gritavam todos instante “encontrei um, professora” e todos corriam para observam. Fuçando aqui, mexendo ali, encontraram diversos animaizinhos: formigas, aranhas, pernilongos, mosquitos, moscas, mariposas, fede-fede, minhocas entre outros.
No dia seguinte, foi a vez da Classe de 6 anos M. A aula não foi diferente, procurando nas árvores, nas plantas pequenas, na grama, no muro, nas paredes, nas pedras... localizava diversos bichinhos diferentes.
Durante a aula de observação no jardim, teve até uma aluna tentando fazer a identificação corretamente “Professora, eu achei um ‘atrópode’!” Pois é, os nossos pequenos cientistas estão começando aparecer!
Nas próximas aulas, as professoras direcionarão a observação para o estudo dos artrópodes e cada turma irá escolher um bichinho para estudar detalhadamente.

* A turma da Classe de 6 anos M trocou de professora. A professora Mariane Valério Miranda entrou em féria e em seu lugar, assumiu a professora Rosiclei. Seja bem vinda à Classe de 6 anos, Profª Rosiclei!
Por Aurea Vieira

29 de jun de 2007

Contação de Histórias


Para enriquecer as aulas e motivar os alunos da 1ª série a lerem e contarem histórias, a professora de Artes e Educação, Adriana Pacheco Schmitt, convidou duas alunas da 1ª série de outra escola uma contação de histórias.
A aluna Maria Eduarda contou a história “Bruxa Onilda Vai a Nova Iorque” (E, Larreua Ed. Scipione) E a aluna Isabela contou a história da Branca de Neve. As duas meninas, vestidas à caráter e com a história na ponta da língua, cativaram a atenção das turminhas, que adoraram a experiência e já pediram à professora para também fazerem suas contações.
Parabéns, professora Adriana, pela iniciativa!
Por Mariani da Silva Hasse

26 de jun de 2007

Uma abordagem reflexiva sobre os resultados das avaliações com os alunos de 1ª a 4ª série da E. M. Professora Karin Barkemeyer

A qualidade da educação e do ensino, mais especificamente do Ensino Fundamental, tem sido foco de calorosas discussões entre os diversos protagonistas: os diretores, os professores e os especialistas em educação do nosso município.

Esta qualidade, sempre mensurada pelas avaliações como Prova Brasil, avaliação do I A S e outros.

Os resultados destas avaliações têm gerado no ambiente escolar em que atuamos inquietudes, desafios, frustrações e, em alguns momentos, até dúvidas sobre a fidedignidade dos resultados da nossa rede de ensino.

É de conhecimento de todos os envolvidos no processo de ensino e aprendizagem da nossa escola, os resultados das avaliações externas e internas da nossa instituição. Na Prova Brasil, a média da escola ficou acima da média da Rede Municipal de Joinville. E nas avaliações do I A S, em 2006, nossa escola apresentou resultados abaixo da média das escolas do município no que se refere à geometria e interpretação de textos, nas 3ª e 4ª séries.

No momento, nossos alunos de 1ª a 4ª série, (uma média de 40%, dados da avaliação do IAS, maio 2007) não só apresentam dificuldades para interpretar o que está implícito nos textos na avaliação externa, mas também nas avaliações da própria escola. Da mesma forma, apresentam dificuldade em Matemática, na área de geometria.

Diante destes resultados, procura-se acompanhar, traçar medidas de intervenção, orientar, assistir aulas, desenvolver projetos de leitura, realizar formação em serviço e auxiliar os professores em sua prática pedagógica. Esse trabalho é realizado com base nas necessidades de aprendizagem dos professores, que são sinalizadas durante as avaliações realizadas com os alunos, onde se percebe nitidamente que é nas áreas em que os alunos apresentam dificuldades que o professor necessita de aperfeiçoamento.

No entanto, percebe-se que estes poucos momentos de formação e de acompanhamento do trabalho do professor surtem um efeito ainda não satisfatório diante das exigências externas.

O fato é que, pelo menos nesta instituição, não basta o trabalho com os professores em suas dificuldades, mas também a organização do tempo e do espaço escolar.

De nada adianta traçarmos medidas, formar professores, reformular propostas, investir em recursos didáticos sofisticados, se o tempo que se tem com os nossos alunos é de 3 a 4 horas diárias, horas estas recheadas de atividades extras, que muitas vezes nem fazem parte do currículo escolar.

Conforme o destaque da educadora Emília Ferreiro, no texto lido para esta tarefa, “ a aprendizagem só ocorre se entrarem em cena os três elementos: os conteúdos que o alunos necessitam aprender, o aprendiz e os responsáveis por fornecer as condições necessárias à aprendizagem. Se os alunos apresentam baixo desempenho, a responsabilidade não é unicamente deles.”

Nesta perspectiva, encontra-se também no texto em estudo, uma reflexão muito importante, que aponta fatores que influenciam para uma boa qualidade do ensino: a formação inicial e continuada do corpo docente, a força do trabalho em equipe, o papel do diretor, a participação da comunidade, a importância da leitura, e, claro, o valor que a própria avaliação tem para melhorar o dia-a-dia da aprendizagem.

Não queremos, com estas palavras, levantar dúvidas, sobre a seriedade do trabalho e o comprometimento dos nossos professores, diretora e de toda equipe pedagógica da nossa escola, ao contrário, é visível o comprometimento, a responsabilidade, a solidariedade e o trabalho de equipe nesta escola, sempre voltada a um nível de exigência para a melhoria da qualidade de ensino e aprendizagem dos nossos alunos.

Uma prática que acontece em nossa escola e que consideramos muito positiva, é a observação dos dados que precisam ser melhorados, analisados com cuidado, e conseqüentemente, a discussão e a implantação de novas intervenções.

Consideramos nossos professores e toda a equipe pedagógica ótimos e comprometidos, apesar de, muitas vezes, nossa formação ser deficiente para os desafios atuais. No entanto, acreditamos que as angústias que surgem com os resultados das provas, são muito positivas e nos fazem refletir e procurar novos rumos.

Texto Reflexivo elaborado para a Reunião de Supervisores que aconteceu no dia 19 de junho, escrito por Zélia Janning com colaboração de Mariani da Silva Hasse, Supervisoras da Escola.

2ª etapa do Projeto: O Jovem Cientista no Micro -Macro Mundo dos Artrópodes

Nos dias 25 e 26 de junho de 2007 ocorreram as 1ª reuniões com os professores responsáveis pela 2ª etapa do andamento do projeto "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes".

Durante as reuniões os alunos das 6ª B e C, 7ªD e B assistiram no auditório o vídeo "Animais Minúsculos" e responderam a um questionário sobre o mesmo. No vídeo ,os alunos puderam compreender o que são animais invertebrados, pragas, metamorfose,o que atrai pequenos animais para dentro das casas,animais dípteros e animais invertebrados saltadores.

Nas reuniões estiveram presentes as supervisoras, coordenadoras do projeto, o professor Guilherme Evaristo (Ciências),professores de Classe de 6 anos a 4ª série, professores de Matemática e Arte-Educação.

As reuniões ocorreram no Laboratório de Ciencias e os professores tiveram a 1ª experiência de observação e classificação de artrópodes que foi coordenado pelo professor Guilherme.

Com os professores de Matemática e Arte-Educação foram definidos os seguintes objetivos a serem alcançados até final de agosto:
  • Objetivo Geral de Matemática:
    Classificar, identificar e enumerar em forma de gráfico os diferentes tipos de artrópodes (aéreos, terrestres e aquáticos) encontrados nos meses de junho e julho,na área delimitada para estudos ao redor da escola.

  • Objetivo Geral de Arte-Educação:
    Observar e registrar, através de imagens (fotografia, desenho, pintura ou escultura) as diferentes formas dos artrópodes ou de seu habitat.
Os professores das Turmas de 6 anos até 4ª séries iniciarão ,a partir de agora ,o estudo dos artrópodes e sua classificação, podendo envolver as diferentes disciplinas – Matemática, História, Português, Ciências, Artes – no processo.

No final deste período, os alunos deverão:
- Saber a definição do que são artrópodes;
- Saber diferenciar:
· Tuma de 6 anos: Saber que existem classes;
· 1ª e 2ª séries: Diferenciar os insetos das demais classes;
· 3ª e 4ª séries: Diferenciar as classes insetos, aracnídeos, crustáceos, quilópodes e diplópodes .
- Conhecer as principais características dos artrópodes;
- Escolher 1 artrópode para ser pesquisado (1 animal por turma).

Bom Trabalho!!!!!

Por Paola Hoffmann S. Gomes

25 de jun de 2007

Prêmio Embraco de Ecologia - 15 anos

No dia 20 de junho ,a escola participou do lançamento da 15º edição do Prêmio Embraco de Ecologia, no auditório da Univille. Para o evento, a Embraco convidou o professor e pesquisador Genebaldo Freire Dias, mestre e doutor (Ph.D.) em Ecologia, que comandou uma Oficina de Atualização de Práticas de Educação para todos os profissionais da educação presentes.
Após a oficina, o 15º Prêmio foi apresentado pelo presidente da Embraco Ernesto Heinzelmann.
No evento também estiveram presentes alunos das escolas vencedoras do ano de 2006, que participaram de uma homenagem pelos 15 anos e do lançamento do concurso de 2007.
A tarde foi encerrada com um coquetel para todos os convidados.
Por Aurea Vieira

Escola Municipal Professora Karin Barkemeyer

Há 10 anos no coração do Vila Nova


Ao completar 10 anos, a homenagem à escola precisa ser grandiosa, com muito brilho, pompa e circunstância. E, principalmente, despertar e mobilizar a comunidade, revitalizando em cada um o orgulho de fazer parte da família Karin Barkemeyer.
Assim, o jornal, editado e entregue a todos os alunos, e a Gincana, realizada em junho, têm por objetivo principal fazer com que os alunos que aqui estudam e ou estudaram sejam homenageados e se sintam orgulhosos de fazer parte desta história.Esther Rieper Perini (diretora)

Retrospectiva
Centro de eventos, praça de leitura, sala informatizada, parque infantil, sala de artes, acervo bibliográfico com mais de dez mil livros, arborização, ampliação de duas novas salas: assim está a escola dez anos depois.
Uma escola que vai se apresentando como “ uma instituição de referência pela organização, disciplina, incentivo à leitura e pelo desenvolvimento de aptidões, competências e valores, preparando os alunos para os desafios da caminhada da vida.”
Merece destaque a conquista de três Prêmios de Educação ambiental (Prêmio Embraco), o Prêmio Gaia , a premiação de 3º melhor jardim escolar, a parceria com a empresa Krona, com o projeto “Arte , Alegria & Mais Aprendizagem e os inúmeros troféus na área esportiva.
Muitas foram as conquistas e muitos os momentos de alegria e de orgulho nestes 10 anos de existência.
Parabéns a todos que fazem ou fizeram parte desta história de sucesso!
Sueli Nass da Cruz (diretora Adjunta)
Por Aurea Vieira

O Mundo dos Artrópodes – Utilizando o Laboratório de Ciências

Aula do Projeto: "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes."

A primeira aula foi na Sala Informatizada onde os alunos puderam aprender sobre todas as espécies.

Na segunda aula, depois da inauguração do laboratório, os alunos classificaram em uma tabela os artrópodes que analisaram no microscópio e na lupa.
O professor está estudando com os alunos das 7ª séries e 6ª C as características dos artrópodes.


Os Artrópodes (do grego arthros: articulado e podos: pés, patas, apêndices) são animais invertebrados caracterizados por possuírem membros rígidos e articulados. São o maior grupo de animais existentes, representados pelos gafanhotos (insetos), aranhas (arachnida), caranguejos (crustáceos), centopéias (quilópodes) e embuás (diplópodes).
Por Paola Hoffmann S. Gomes

Inauguração do Laboratório de Ciências da Escola Municipal Profª Karin Barkemeyer

Projeto: O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes


Foi inaugurado, no dia 5 de junho de 2007, Dia Nacional do Meio Ambiente, o Laboratório de Ciências da Escola Municipal Profª Karin Barkemeyer, com o objetivo de promover a experimentação, a cooperação e a convivência científica.
O espírito científico e a curiosidade, conectados à informação e à experimentação melhorarão, com certeza, a qualidade das aulas em todas as disciplinas.
Neste mesmo dia foi aberta a 1ª Mostra do Projeto: “O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes” que ficou aberta aos alunos e à comunidade até o dia 18 de junho de 2007. Foi montada na Praça de Leitura da escola.

Autoridades presentes:
Professor SYlvio Sniecikovski - Secretário da Educação
Maria da Glória B. Frölhlich – Diretora de Ensino
Dalva Maria Alves – Superintendente da SEC
Gisele Abrahão - Embraco
José Cloves Farias – Presidente da APP

Por Paola Hoffmann S. Gomes e Aurea Vieira

Totens

Totem é qualquer objeto, animal ou planta que seja cultuado como deus ou equivalente por uma sociedade organizada em torno de um símbolo ou por uma religião, a qual é denominada totemismo.
Características: Totem é uma palavra dos Peles Vermelhas e designa simplesmente o “Brasão” ou as “Armas” que a família traz. O “Brasão” era pintado ou cravado na maioria dos objetos usados pelo proprietário. As famílias dos Peles Vermelhas da América mandavam esculpir os seus Totens, quando podiam. Geralmente, eram altos pilares ou postes de cedro admiravelmente trabalhados. O “Brasão” ficava no elmo e em geral era um animal selvagem, ave ou peixe. Os índios tinham-no como talismã e acreditavam que velava por eles e os protegia.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre: http://pt.wikipedia.org/wiki/Totem

Em um trabalho da aula de Ensino Religioso, com a professora Sandra M. B. Oliveira, os alunos das 6ª séries D e E estudaram este símbolo e o totemismo. Neste estudo, eles perceberam que o meio ambiente está repleto de sinais que revelam o desejo de infinito e a procura pelo transcendente e entenderam, também, que existem outras crenças além daquelas que eles conhecem.
Por Aurea Vieira

19 de jun de 2007

A importância da Mata Atlântica

Aulas do Projeto: "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes."

As turmas de 3ª séries das professoras Elizangela Porfírio Costa e Vanderlene Dionisio Ribeiro estiveram na Sala Informatizada para assistirem a dois vídeos que falam da destruição da mata e as suas conseqüências. E em sala de aula trabalharam com textos, resolveram exercícios e discutiram. As turmas da professora Elizangela retornaram à sala informatizada para escreverem um texto final sobre a importância da floresta da Mata Atlântica e o ilustraram.

As turmas da Classe de 6 anos das professoras Mariane Valério Miranda e Josiane Giovanella escutaram histórias, conversaram e montaram cartazes que falavam da beleza, do encanto e da importância das árvores para as crianças e para os passarinhos.
Por Aurea Vieira

Painel das árvores da Mata Atlântica

Aulas do Projeto: "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes."

Em continuação ao estudo sobre a Mata Atlântica, cada turma da Classe de 6 anos, Aceleração e 1ª a 4 série estudou sobre uma espécie de árvore nativa. Além de lerem sobre a árvore, viram fotos, gravuras. A turma que tinha um exemplar de sua árvore plantada na escola foi visitar, outros alunos trouxeram sementes, folhas e frutos para os colegas conhecerem.
Então cada turma montou a sua árvore num painel e refletiram sobre “Como cada um pode contribuir para a preservação da Mata Atlântica”. Em textos coletivos ou frases colocaram idéia no papel sobre o que cada um pode fazer para que estas árvores e outras possam continuar a existirem em na nossa região.
Por Aurea Vieira

O retrato da paisagem natural da nossa região

Aulas do Projeto: "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes."

Depois da palestra sobre a Biodiversidade da Mata Atlântica, as turmas de 5ª Série da Professora Eliane Kiehn passaram a estudar sobre o desenvolvimento e a destruição da vegetação nativa.
Na primeira tarefa, após discussão sobre o crescimento do bairro e a destruição da vegetação nativa. (Lembrando que na disciplina de geografia estes alunos estudaram sobre o a mudança na paisagem causada pelo crescimento demográfico), os alunos desenharam como a paisagem como era há 500 anos (5ªA) , há 80 anos (5ªB)e há 20 anos (5ªC) e todos desenharam a paisagem da região com é hoje. Comparando os dois desenhos, cada aluno escreveu um texto reflexivo sobre como o a exploração dos recursos naturais e o avanço econômico poderia acontecer, mas ao mesmo tempo ter o a preservação das áreas naturais e dos recursos, mantendo o equilíbrio ecológico.

Por Aurea Vieira

Uma oração em defesa dos Pequenos Animais

Projeto: "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes."

O trabalho das turmas de 5ª série sobre os direitos dos animais, na disciplina de Ensino Religioso, partiu de reflexões que a professora Sandra M.B. Oliveira realizou em sala de aula. Os alunos tiveram pensar sobre o dia-a-dia e anotar situações que percebiam que pequenos animais eram ameaçados ou agredidos, sem uma justa causa e quais atitudes são necessárias para o cuidado e preservação destes animais.
Então a professora deu uma aula explicando o que são símbolos, logotipos e ilustrações. Com este conhecimento os alunos tiveram que criar um símbolo de defesa dos animais.
Com o símbolo pronto, os alunos estudaram sobre o que é uma oração e criaram orações em defesa dos pequenos animais.

Por Aurea Vieira

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais

Projeto: "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes."

Aqui na escola, todos os alunos já sabem que os animais têm direitos garantidos pela declaração Universal dos Direitos dos Animais. Todos tiveram oportunidade de ler e discutir esta declaração. Mas para registrar e entender melhor cada um deles os direitos foram desenvolvidas várias atividades:

Profª: Glynis Helena Behrend
1ª Série B e C:
O que fizemos:

Assistimos ao filme: Lucas, um intruso no formigueiro ( Ant Bully, EUA, 2006)Ouvimos e conversamos sobre os quatorze artigos da Declaração Universal dos Direitos dos Animais no site: http://www1.uol.com.br/ecokids/diranima.htm



Profªs: Isabel Cristina Barbosa e Josiane Giovanella
2ª Série C e D
O que fizemos:

  • Assistimos ao filme: Lucas, um intruso no formigueiro ( Ant Bully, EUA, 2006)
  • Lemos discutimo os quatorze artigos da Declaração Universal dos Direitos dos Animais no site:
    http://www1.uol.com.br/ecokids/diranima.htm
  • Por isso, agora queremos dar um recadinho ao Lucas, sobre os Direitos dos Animais...





Profªs: Josiane Giovanella e Mariane Valério Miranda
Turmas da Classe de 6 anos J e M
O que fizemos:

  • Assistimos ao filme: Os Sem-Florestas (Over the Hedge, EUA, 2006)
  • Ouvimos e conversamos sobre os quatorze artigos da Declaração Universal dos Direitos dos Animais no site: http://www1.uol.com.br/ecokids/diranima.htm
  • Aprendemos que todos os animais têm direitos e precisamos respeitar.
  • Depois desenhamos o que aprendemos:





Profª: Sheial Cristina Z. Giugno
2ª Série A eB
O que fizemos:

  • Assistimos ao filme: Lucas, um intruso no formigueiro ( Ant Bully, EUA, 2006)
  • Lemos e discutimos os quatorze artigos da Declaração Universal dos Direitos dos Animais no site:
    http://www1.uol.com.br/ecokids/diranima.htm
  • E aprendemos que...





Em outras atividades, a turma da 3ªD da Vanderlene D. Ribeiro da Silva Oliveira resolveu um questionário com um teste de conhecimentos, onde eles deveriam descobrir qual era o artigo havia sido citado.
Já a turma da 4ª série D, Isabel Cristina Barbosa fez um estudo dos termos e palavras desconhecidas que do texto. Eles pesquisaram e descobriram o significado de termos como Exterminar, Submeter, Genocídio Longevidade, e criando um glossário.
Por Aurea Vieira

Paródias e Cartazes sobre os Direitos dos Animais

Projeto:"O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes".

Para finalisar a reflexão sobre os Direitos dos Animais a professora Sandra M. B. Oliveira ,de Ensino Religioso, confeccionou um cartaz comunitário com todos os alunos das 8ª e 7ª séries.Cada um dos alunos desenhou um artrópode e colou no cartaz que tinha como frase principal “ A força dos pequenos traz vida para o mundo!”
Os alunos vão gravar um cd com as paródias mais “bacanas” e apresentá-las em eventos relacionados ao projeto”O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes”.

Por Paola Hoffmann S.Gomes

Nativo ou Exótico




Aula do projeto : " O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes".


As 6ª séries passearam na escola e pesquisaram com as prfessoras Eliane Kiehn, Aurea Vieira e Paola Hoffmann sobre as árvores nativas e exóticas que encontramos na nossa escola.
Primeiro os alunos tiraram fotos das árvores, descreveram-nas e descobriram os seus nomes.Em seguida numeraram as árvores e pesquisaram sobre a importância de plantarmos árvores nativas e não exóticas.

“Nós saímos da sala e fomos tirar uma foto no pátio da escola com algumas árvores. A nossa foi a goiabeira. O seu galho é fino e tem muitas folhas .Ela tem um verde muito claro e muito brilhante.A goiabeira não chega a grandes altitudes.Ela é jovem e se vocês observarem, nela foram encontradas larvas. Ela já foi podada três vezes e é muito conhecida por todos. Se observamos ao redor da nossa escola e da nossa casa, existe muito verde e também muitas árvores e tudo é deve ser bem cuidado para o bem da natureza.É uma árvore frutífera, nativa da Mata Atlântica,ou seja,que nascem naturalmente na região e que não foram trazidas de outros países ou regiões muito distantes.”

Lucas Tomkiel e Gabriel K. Carvalho


Por Paola Hoffmann S. Gomes

A Mata Atlântica e seus diferentes ecossistemas.

Passeio no Piraí observando as árvores características dos ecossistemas da Mata Atlântica da nossa região.


Aulas do projeto: O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes".


Os alunos das 7ª séries e da 6ª C tiveram a oportunidade de perceber , juntamente com o professor Guilherme Evaristo, que na Vila Nova encontramos basicamente três ecossistemas da Mata Atlântica:Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas;Floresta Ombrófila Densa Sub-montana e Floresta Ombrófila Densa Montana.Aula esta que foi apresentada na sala informatizada.
Depois de saberem um pouco mais sobre os ecossistemas os alunos foram a campo fazer uma identificação das árvores mais encontradas nestes três ecossistemas. Primeiro os alunos passearam ao redor da escola para conhecer uma Floresta Secundária Ombrófila de Terras Baixas e suas características, semanas depois, foram nas cachoeiras do Piraí aprender sobre as características das Floresta Ombrófila Densa Sub-montana e Floresta Ombrófila Densa Montana.

Por Paola Hoffmann S. Gomes

Mata Degradada - Estágios Sucessionais da Mata Atlântica.






Aula do Projeto: O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes".




Os alunos das 8ª séries foram a campo observar que a mata, depois de degradada, se regenera. Eles puderam perceber que nos arredores da Escola M. Profª Karin Barkemeyer, existia uma floresta primária que foi desmatada para a construção de casas e loteamentos e tornou-se uma área degradada.
As áreas degradadas são áreas onde nascem gramíneas onde a mata inicia a sua fase de regeneração espontânea. Puderam perceber, com o auxílio das professoras Eliane Kiehn e Paola Hoffmann S. Gomes ,a diferença entre Florestas Primária e Secundária e analisaram os estágios de regeneração da mata, que são: capoeirinha, capoeira e capoeirão.




Por Paola Hoffmann S. Gomes


Estudo da bússola e da Rosa dos Ventos.

Aula do projeto: "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes".

Um estudo mais aprofundado da bússola e da Rosa dos Ventos foi o que fizeram as turmas das 6ª séries. Foi através deste estudo que os alunos puderam perceber que existe o norte magnético e o geográfico e comprovar a inclinação da terra.
O núcleo da terra permanece em constante fusão gerando correntes de lava que fluem na camada mais externa do núcleo.Estas correntes de material ferroso geram um campo magnético, mas os pólos deste campo não coincidem com os verdadeiros pontos norte e sul do eixo de rotação da Terra.
As 5ª séries desenharam e estudaram a fundo a Rosa dos Ventos.
Por Paola Hoffmann S. Gomes

Maquete do Bairro Vila Nova

Aula do projeto : "O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes".

Os alunos das 8ª séries conseguiram terminar o grande mapa do Bairro Vila Nova com a ajuda das professoras denise de Fátima, Paola Hoffmann S. Gomes e Aurea Vieira.
Todos os alunos de 5ª a 8ª séries colaram as suas casas no grande mapa formando uma maquete da região. A utilização do estudo da escala e das projeções cartográficas foram as informações mais utilizadas pelos alunos das 8ª séries para miniatura da região.

Por Paola hoffmann S. Gomes

18 de jun de 2007

Localização

Aula do projeto: O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes.

Para que seus alunos compreendessem sobre como se localizarem no bairro, as professoras criaram atividades desafiadoras e envolventes:

  • As turmas da Classe de 6 anos das professoras Josiane Giovanella e Mariane da Silva Hasse, tiveram que desenhar as suas casas e a escola, e ainda descobrir em qual lado da escola moram: em frente, ao lado ou atrás.


  • Os alunos das 1ªs séries das professoras Ana Cristina G. de A. da Silva e Glynis Helena Behrand também partiram da mesma idéia, desenhar a sua casa, a escola, descobrir em qual direção da escola moram, mas os alunos ainda tiveram um desafio maior: deveriam colocar no desenho, o caminho que fazem da escola até sua casa.


  • As professoras de 2ª séries, Josiane Josiane Giovanella, Sheila Cristina Zimmermann Giugno e Isabel Cristina Barbosa propuseram aos seus alunos que localizassem no mapa do bairro os seus endereços, e a escola, depois deveriam identificar o caminho que fazem de sua casa até a escola, fazendo marcações, para isso usaram o Paint no computador. Em outra atividade, todos tiveram que prestar muita atenção no caminho de casa x escola, e desenhar o trajeto, colocando os principais pontos comerciais, casas e outros elementos, como árvores.


O bairro Vila Nova ontem e hoje

Aula do projeto: O Jovem Cientista no Micro-Macro Mundo dos Artrópodes.
O bairro Vila Nova tem origem no início da colonização de Joinville; Através de uma picada que ligasse a serra a antiga (Joinville) Colônia, à Curitiba que iniciou-se o crescimento demográfico;
Outro fato que levou a Colônia a expandir-se está ligado a utilização de algumas “picadas” já existentes, em geral no sentido Rio Cachoeira-Serra do Mar, através de riachos que apresentavam determinada profundidade navegável;
A atual Rua XV de Novembro situada no Bairro Vila Nova, no início da colonização recebeu a denominação de Estrada do Sul e há pouco tempo é conhecida pelo atual nome.”

Esta é um pouqo da história do bairro que os alunos de 5ª série, da Profª Denise de Fatima F. F. da Silva, descobriram. Os alunos entrevistaram antigos moradores do bairro, pesquisaram em livros e na Internet, coletaram fotos e assim compreenderam como aconteceu a colonização da região, quando diminuiu sua área rural e teve o crescimento urbano.
A professora também levou os alunos até a Sala Informatizada e no site do IBGE estudaram sobre o que é e como acontece crescimento demográfico.